quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Níveis de organização dos seres vivos

Uma das bases do aprendizado é a capacidade para se localizar em um conteúdo. É necessário observar, em primeiro lugar, globalmente, para depois ir se situando localmente. Um determinado conteúdo deve ser entendido superficialmente, para que depois entremos em mais detalhes.

Os níveis de organização dos seres vivos representam uma bela oportunidade para que possamos entender a dinâmica da Natureza. Aliás, poderíamos generalizar e dizer, por exemplo, que a Física hoje se divide entre os extremos desses níveis: os adeptos da Teoria Quântica procuram entender a natureza irregular dos átomos, ao passo que os estudiosos da Teoria da Relatividade se debruçam sobre os aspectos aparentemente regulares do Cosmo.

Do mais simples ao mais complexo objeto de estudo da Biologia, encontramos: átomo, molécula, orgânulo, célula, tecido, órgão, sistema, organismo, população, comunidade, ecossistema e biosfera. Tomarei como exemplo o sistema circulatório para esclarecer esses níveis, mas poderíamos pegar para exemplificação o sistema ósseo que aparece na figura abaixo.

níveis de organização dos seres vivos

Pois bem, tudo começa nos átomos, minúsculas porções da matéria. Tão minúsculas que até hoje nenhum cientista conseguiu ver um átomo nem com o mais potente dos microscópios. Uma simples e didaticamente boa representação do átomo é uma "esfera" na qual existe um núcleo denso com cargas positivas e neutras rodeado por cargas negativas. Dependendo do número de cargas positivas que existir em determinado átomo, ele será classificado como um determinado elemento químico. Por exemplo, todo átomo com duas cargas positivas em seu núcleo representa o elemento químico hélio, com todas as suas propriedades, e assim por diante.

Átomos reunidos formam moléculas. Diferentes moléculas são formadas graças ao tipo de átomo presente na ligação e do tipo e número de ligações. Diferentes tipos de átomos se unem para formar, por exemplo, moléculas de hemoglobina.

Várias moléculas reunidas formam orgânulos, como os ribossomos, mitocôndrias, sistema golgiense, retículo endoplasmático liso, retículo endoplasmático rugoso, lisossomos, centríolos etc. As hemácias, principais células do nosso sangue e que dá a ele a característica cor vermelha e o conhecido "gosto de ferro" possuem vários desses orgânulos, mas não possuem núcleo e seus componentes.

Várias células formam tecidos. As hemácias, junto com outros tipos celulares como os leucócitos, formam o tecido sanguíneo. Vários tipos de tecidos reunidos formam órgãos. Por exemplo, os tecidos sanguíneo e muscular (entre vários outros) formam o coração, órgão vital. Órgãos reunidos formam sistemas. No caso do sistema circulatório, o principal órgão é o coração, associado a veias, artérias, vasos e válvulas.

O conjunto de sistemas (excretor, respiratório, circulatório etc) acaba por caracterizar o organismo. Vários organismos formam uma população, e o conjunto de várias populações distintas caracteriza uma comunidade. É interessante salientar que, levando-se em conta os termos biológicos, a associação que fazemos comumente é errada. Consideramos comunidade quando deveríamos considerar população. Quando dizemos que a "comunidade" do complexo do Alemão recebeu a pacificação não estamos considerando os gatos, cachorros, periquitos e insetos que certamente passam por lá, portanto, seria cientificamente correto falar sobre a população do complexo do Alemão.

O conjunto de várias comunidades formam os ecossistemas e o conjunto de todos os ecossistemas do planeta, forma a biosfera.

Leia mais sobre as características gerais dos seres vivos:
> Vírus e suas características
> Características gerais dos seres vivos
> A Biologia e suas divisões