sábado, 2 de julho de 2011

Referencial, ponto material e trajetória

Ao iniciar o estudo da Cinemática (estuda os movimentos sem se preocupar com suas causas, levando em conta apenas velocidade, tempo e distância em um determinado trajeto), normalmente o primeiro tópico estudado na Mecânica Clássica, porta de entrada para o conteúdo de Física do Ensino Médio, é importante que tenhamos bem definidas as ideias de referencial, ponto material e trajetória.

Partícula e corpo

Um mesmo corpo pode ser considerado um ponto material ou um corpo extenso. Essa diferença se dá a partir do contexto ao qual nos referirmos. Por exemplo, um carro de 4 m de comprimento em um trajeto de 20 m, certamente será considerado um corpo extenso, pois suas dimensões influenciam no resultado dos cálculos. Esse mesmo carro, no entanto, será considerado um ponto material (ou uma partícula) em um percurso de 200 km, sendo suas dimensões, nesse caso, desprezíveis.

Referencial

O movimento de um corpo, visto por um observador, depende do referencial no qual o observador está situado. Um exemplo clássico é o da lâmpada que cai do teto de um trem em moimento. Para um observador dentro do trem, o movimento da lâmpada é, obviamente, linear. Porém, para um observador em repouso observando o movimento do trem se movimentar, a trajetória descrita pela lâmpada será a de uma parábola.

Um exemplo interessante é o que relaciona o movimento dos corpos no sistema solar. Muitos afirmam categoricamente que os cientistas que um dia disseram que o Sol girava ao redor da Terra estavam redondamente enganados. Bem, levando em consideração o que eles efetivamente pensavam, podemos realmente afirmar que eles estavam errados. Porém, não devemos nos esquecer da ideia do referencial ao comentar também essa questão do heliocentrismo. Para o referencial no Sol, realmente é a Terra que gira ao redor de tal estrela, porém, para o referencial na Terra, o sol é que gira em torno do planeta. É o movimento aparente que vemos todos os dias.

Trajetória

A última mas não menos importante ideia da mecânica clássica é a de trajetória. Isso significa que devemos atribuir valores ao percurso estudado. Se considerarmos a trajetória positiva da esquerda para a direita, então teremos que a velocidade dos corpos será sempre positiva quando estes estiverem se movendo para a direita e será sempre negativa quando eles estiverem se movendo para a esquerda.

Não se esqueça, por fim, que velocidade negativa não significa desaceleração. Velocidade negativa significa, simplesmente, que o móvel está se movendo contra o sentido atribuído á trajetória, podendo ser esse movimento acelerado, retardado ou mesmo constante.